domingo, 2 de outubro de 2011

Nem um oceano nos separa...



Há pouco mais de sete anos iniciei uma nova etapa da minha vida, o casamento. No dia 08 de maio de 2004, às 19h30, sabadão, estava eu a caminho da igreja Coração de Maria para um passo importante em minha vida. Lá estavam pessoas muito especiais pra mim, desde família até os amigos ou amigos família...ah sei lá. Foi uma cerimônia bonita, rápida e inesquecível. Até minha mãe chegou depois de mim na igreja... Pode uma coisa dessa? Madrinha, mãe, irmã, amigas...todas no mesmo salão. Óbvio que algo sairia do eixo. Mas no fim tudo deu certo e ficou perfeito.

Agora você deve estar se perguntando porque eu estou contando esta breve passagem né? Simples! Na realidade quero falar do pós cerimônia. Na festa teve o momento do buquê, claro! Foi uma loucura, pois a mulherada tava só esperando eu jogar o buquê. A sortuda foi a Aline Prates.
Pronto, cheguei onde queria. Demorou 7 anos, mas hoje eu posso dizer, de boca cheia, que minhas florzinhas deram sorte pra minha amiga Aline. Ela vai casar!

Quando ela me deu a notícia, eu voltei não só ao dia 08 de maio, mas também à infância. Afinal, conheço essa futura senhora Aline Prates desde meus 7 anos. Não é pouco tempo né! Hoje, aos 34 e ela 32 podemos dizer que tivemos uma bela e doce infância. A Aline era minha companheira até na hora de ir à padaria e no supermercado quando minha mãe precisava de algo. Adorávamos pular corda, amarelinha, esconde esconde, pega pega, todas essas brincadeiras que hoje quase não se vê a criançada curtir. Fizemos Inglês na mesma escola, participamos de um projeto chamado Curumim do Sesc Santos, estudamos no Lourdes Ortiz e nossa vida só mudou de rota no segundo grau. Eu fui pra uma escola e ela para outra. Na faculdade idem, pois eu escolhi o Jornalismo e ela a Arquitetura.

Mesmo assim nossas famílias criaram um laço, pois os pais dela são meus padrinhos de casamento e a mãe dela é minha madrinha de Crisma.

Os anos passaram, cada uma seguiu sua vida e correria diária, mas sem jamais perder o contato. Ela teve perdas na família, irreparáveis diga-se de passagem, e eu estava lá para dar apoio quando eles mais precisaram. Pra mim amigo é isso...nas horas boas e ruins.

E como nem a distância profissional ou de cidade não nos separou, não será um mar que vai nos separar minha amiga Aline Prates. Vivemos tantas coisas boas quando éramos crianças, não é verdade?! #saudadesdainfância. Precisaria de muitas e muitas linhas para escrever tanta história.

A única coisa que eu exijo de você é que seja feliz. E quando tiver um tempo, que me escreva para contar as novidades, nem que seja pra falar: me ensina a fazer um prato bem gostoso?! hahahaha.
Esse meu post foi dedicado a você, que é muito especial pra mim. Obrigada por tudo que vivemos juntas, obrigada por existir em minha vida e que você seja muito, mas muito feliz lá na Europa.

Eu acredito em amizades verdadeiras e duradouras. A nossa é pra sempre! #chorei!

Beijos e essa é minha homenagem a você.
Wanessa Santana.





3 comentários:

  1. #choreitambém

    Te amo, me sinto honrada de fazer parte da sua vida, obrigada! Mas você quebrou minhas pernas com esse texto lindo, volto quando esse nó na minha garganta se desfizer.

    Beijos minha amiga,

    Aline

    ResponderExcluir
  2. Minha amiga Aline, agora contigo é só em Inglês, porque dinamarquês seria muito pra minha humilde cabecinha...hahaha.

    Wish you all the best with Michael.

    ;))))
    Kisses

    ResponderExcluir
  3. Linda homenagem!!!! Não existe nada melhor nesse mundo do que ter amigos!!!!

    ResponderExcluir